Recorde do teu Verdadeiro Ser!

O ORGONE DE WILHELM REICH

O Orgone de Wilhelm Reich

Em Israel é usado o ‘CloudBuster’ do famoso psicanalista judeu Wilhelm Reich, para gerar a chuva.

Wilhelm Reich em seu laboratório em Rangeley no estado do Maine.

Se o governo brasileiro fosse sério com relação as poucas chuvas do Nordeste, ao invés de gastarem fortunas para trazer a água do Rio São Francisco, estes poderiam trazer a chuva do céu com o canhão Cloudbuster de Reich, assim como foi feito em Israel.

Vale dizer que os operadores que operavam este equipamento Cloudbuster, tinham que ter um cuidado todo especial de segurança e proteção, pois os operadores deste aparelho no tempo de Reich, ficaram doentes, por receberem descargas negativas chamada de DOR chupadas do céu e estas energias negativas eram e são canalizadas para um lago com águas correntes, cujas águas são a grande fonte da energia POR, segundo Reich, que transportada para as nuvens pelo canhão e por este fenômeno, provocava as  precipitações naturais pluviométricas. A energia DOR ou POR poderia ser comparado com algum outro tipo de fenômeno natural diferente conhecido como por exemplo, a eletricidade estática que é invisível ao olho humano.

  

Figura 1: Cloudbuster Sabra, no trabalho, na margem ocidental do Lago Kineret (Mar da Galiléia), Tibério, norte de Israel, em 17 de novembro de 1991, no momento de uma grave seca de 3 anos e de longa estiagem. Operações em curso havia sido feito cerca de uma hora, no momento esta fotografia foi tirada. A vista é para o Oriente. A foto logo abaixo mostra essa mesma paisagem de uma perspectiva ligeiramente superior, olhando para o sul. Ambas as fotos tomadas que mostram uma camada de dor formada. Após vários meses sem chuva, estas chuvas foram restaurados para a região.

 

Início da operação com os canhões Cloudbuster.

Antes da operação d CloudBuster o céu fechado mais sem chuva.

Início da operação com os canhões Cloudbuster.

  

Antes da operação d CloudBuster o céu fechado mais sem chuva.

 

Depois da operação do CloudBuster com as nuvens carregadas para derramar a chuva na região.

Para maiores detalhes acesse:

http://www.orgonelab.org/OROPIsrael1991.htm

No Brasil procure no Google pela frase: “orgone Wilhelm Reich”

No You Tube http://www.youtube.com/ procure a frase: “Cloudbuster ou simplesmente Orgone”

 

Sobre quem foi Wilhelm Reich:

http://www.youtube.com/watch?v=sPV-JExUPns

 

Shalom

Elysilva

——————————-

Fantástico filme que mostra a história de Dr. Wilhelm Reich que recebe uma carta de alguém lhe pedindo ajuda para debelar uma seca em sua fazenda. O cloudbuster é levado por Reich e seu filho a esta fazenda que em 24 horas antes em plena seca, trouxe uma tempestade e ele depois deste episódio é visto sendo preso pelos agentes do FDA, e tudo por causa do seu grande invento para matar a fome do mundo e ter a solução final para a cura do câncer.

———————————————————————–

O presente artigo “O orgone de Wilhelm Reich e o fenômeno chupa-chupa na Amazônia” foi publicado na internet por A. G. M. Ferreira*

(*) Professor da Universidade de Coimbra email: abel@eq.uc.pt

Traduzido e adaptado para o português do Brasil no blog

www.apologiajudaica.blogspot.com , por Elysilva.

——————————————————–

Em ovniologia o conhecimento das diversas facetas do fenômeno ovni e o estabelecimento de relações que possam existir entre elas constitui um exercício (ou método) importante que a credibiliza, permitindo a sua evolução rumo ao seu estabelecimento como ciência.

Uma relação que poderá ser estabelecida é entre a descoberta e possíveis utilizações da energia vital, o orgone, descoberta pelo famoso psicanalista Wilhelm Reich e os intrigantes fenômenos surreais como mutilação de gado, e principalmente as luzes vampiras da amazônia (Brasil) que passaram para a literatura como constituindo o fenômeno chupa-chupa.

1-Introdução.

Definir ovniologia como a ciência que estuda os ovnis é vago. É necessário precisar o que se faz, o que se procura, têm que se referir os métodos que são utilizados para que se possa perceber uma nova realidade (fantástica) como outras realidades (fantásticas) o foram, casos da descoberta da estrutura atômica da matéria ou da teoria da relatividade. É a aplicação do método científico na ovniologia que permitirá tornar adulta e firme esta ciência apaixonante.

Entre as várias ferramentas capazes de realizar este objetivo conta-se o exercício que consiste em procurar estabelecer relações esclarecedoras entre acontecimentos ovniológicos altamente significativos, com forte impacto comprovado na sociedade e teorias que foram propostas por cientistas credíveis que tiveram um desempenho muito relevante em ciências periféricas da ovniologia: física, química, astronomia, astrofísica, psicologia, sociologia, medicina, etc.

O orgone aparece como nova energia (de natureza vital) descoberta pelo psicanalista e clínico Wilhelm Reich que a utilizou com finalidades clínicas ou mesmo na luta anti-ovni. Num artigo interessante, Joaquim Fernandes diretor do grupo de pesquisa ovni portuense CEAFI, já extinto, e atualmente com funções docentes na Universidade Fernando Pessoa, escreveu sobre a utilização do orgone na luta contra os aliens por parte de Reich[1].

Uma relação muito interessante quiçá polêmica é a que poderá existir entre o famoso orgone e os intrigantes fenômenos das luzes vampiras da amazônia ou fenômeno chupa-chupa. Para entender como esta relação pode ser estabelecida é conveniente conhecer quem foi Wilhelm Reich e particularmente o que fez na área que nos interessa explorar (a área ovniológica) e os pormenores relevantes do fenômeno chupa chupa.

Wilhelm Reich o cientista, o orgone e a guerra aos ovnis.

Wilhelm Reich nasceu em Março de 1897 em Dobryzcynica (actual Ucrânia), na altura parte do Império Austro-Húngaro. Era filho de pais judeus, o pai um próspero agricultor. Faleceu nos Estados Unidos da América em 1957.

Foi famoso psicanalista e terapeuta (Foi um discípulo dissidente de Sigmund Freud

http://pt.wikipedia.org/wiki/Wilhelm_Reich) com e desempenhou um papel importante na mentalização das massas na área da sexologia enquadrada na luta de classes a princípio situada na ideologia marxista e posteriormente (a meu ver) na ideologia anarquista. Vários livros [2-5] foram obras de vulto que marcaram as gerações jovens em alturas de viragens revolucionárias no século XX, mesmo em Portugal, durante o período anterior e seguinte à revolução de Abril. Uma das suas obras mais conhecidas “A revolução sexual”[3] foi publicada em 1930 quando em Berlim Reich era orador principal do Partido Comunista Alemão.

Nesta obra advogava o uso livre de meios anticoncepcionais e o aborto. Colaborou na construção de clínicas nas zonas do operariado e ensinou educação sexual. Esta trajetória não agradou aos dirigentes comunistas sendo expulso do partido em 1933. Neste mesmo ano foi publicada a obra “A psicologia das massas no fascismo”[6] onde Reich definiu fascismo como sinônimo de repressão sexual.

O livro foi proibido pelos nazis na sua ascensão ao poder. Em 1934 Wilhelm Reich foi expulso da Associação de Psicologia Internacional por razões de militância política. Na altura os jornais lançaram campanhas insidiosas contra o clínico classificando-o de feminista, comunista, judeu e, pior, defensor do amor livre. Disfarçado de turista (praticante de ski) fugiu para a Áustria. Partiu para os EUA em 1939 após algum tempo passado nos países nórdicos onde desenvolveu trabalho importante.

De 1934 a 1937 Reich realizou experiências importantes em Oslo cujo objetivo era o de procurar a origem da vida. Em algumas experiências utilizou misturas complexas de culturas de seres unicelulares, relva, areia da praia, ferro e tecido animal levadas até à ebulição, adicionando depois potássio e gelatina. Aquecendo até à incandescência observou a existência de formações biológicas microscópicas (vesículas) que emitiam radiação luminosa azul.

À energia radiada Reich chamou “orgone” e às vesículas formadas chamou “bions” que constituiriam uma forma de vida, muito simples. Uma vez arrefecida a mistura e colocada num meio de crescimento apareciam outros seres microscópicos, as bactérias as quais não podiam ter sido originadas nos materiais de partida nas experiências.

Estas descobertas foram expostas e discutidas na sua obra “The bion experiments on the origin of life”[7] publicada em Oslo em 1938. Já em 1936 na obra “Beyond psychology”[8], Reich defendia a existência de dois tipos antagônicos de organismos unicelulares: uns destruidores da vida que se formavam a partir da desintegração das proteínas eram os “bacilos T” e outros que se formavam a partir de material inorgânico e promoviam a própria vida. Os “bacilos T” eram promotores do câncer.

Reich concluiu que a diminuição do orgone nas células, através da idade, ou de agressões externas levava à degradação e morte destas. No processo de degradação desencadeia-se a formação de “bacilos T” e, quando o nível destes organismos é excessivo, sobrevém a morte por câncer.

Já nos EUA, em Rangeley no estado do Maine, Wilhelm Reich criou e dirigiu um laboratório de pesquisa biológica e psicanalítica. Nessas instalações construiu caixas acumuladoras de orgon , cuja função era concentrar a energia orgânica extraída da atmosfera.

O orgone no seu sentido mais geral, seria uma energia cósmica primordial, omnipresente, que emanava a radiação azul e que funcionava como princípio orientador da natureza. Entre outras propriedades determinava o tempo, a cor do céu, a gravidade, a formação das galáxias, as emoções humanas e a sexualidade.

Tecnicamente os acumuladores de orgon eram constituídos por camadas alternadas de metal (ligas á base de metal, esponja de aço ou algum metal) e material isolador,(resina de fibra de vidro) de constante dielétrica muito elevada – à semelhança dos condensadores eléctricos. Reich acreditava que era possível o tratamento do câncer e de outras doenças degenerativas em pessoas colocadas no interior dos acumuladores. Em certos meios da imprensa e na opinião pública os acumuladores eram considerados “caixas de sexo” que causariam ereções penianas incontroláveis.

Nas suas experiências nos acumuladores, Reich terá demonstrado que a energia orgânica era determinada e influenciada por uma “entropia negativa” a qual era correspondente a uma força que concentrava e organizava a matéria. Também nos seus laboratórios, Reich projetou e construiu um canhão (o cloudbuster) com o qual podia controlar as correntes de orgone na atmosfera de modo a induzir a chuva.

Este tipo de aparelho vai aparecer ligado aos ovnis como se verá. Nas experiências com o orgone, Reich envolveu A. Einstein. Em 1940 Reich escreveu a Einstein para uma discussão científica das suas descobertas sobre o orgone.


Em 13 de Janeiro de 1941 visitou Einstein ao tempo residente em Princeton. Aí concordaram testar um acumulador de orgon inserido numa gaiola (eléctrica de Faraday). Reich pretendia mostrar que a temperatura no acumulador subiria sem utilização de uma fonte de calor.

Nas condições em que a experiência se realizava, Einstein achou que se a temperatura subisse seria a descoberta do século pois o aquecimento conseguido permitia a construção de uma máquina de movimento perpétuo – uma impossibilidade de acordo com os princípios conhecidos da Termodinâmica.

Na experiência com o acumulador verificou-se aumento da temperatura, um fato para o qual Einstein não encontrou explicação. Reich concluiu que o calor desenvolvido era o resultado de uma nova forma de energia, a energia do orgone.

No entanto um colega de Einstein, Leopold Infeld interpretou o fenômeno como o resultado da formação de correntes de convecção na câmara, explicação que não chegou a ser testada experimentalmente mas que foi aceite por Einstein.

Seguiram-se anos de discussão entre Reich e Einstein mas este último nunca aceitou as explicações do primeiro. Foram realizadas experiências semelhantes, algumas com sucesso e onde se utilizavam sistemas de controle de modo a colocar de parte a possibilidade das correntes de convecção nas câmaras de orgone.

Foi a produção e utilização do orgone que levou a que Reich vivesse uma época muito conturbada que lhe arruinou a vida. O psicanalista viu-se envolvido num processo de difamação e ataque materializado em artigos publicados em jornais de 1947.

Estes ataques chamaram a atenção da Food & Drug Administration (FDA) que se veio a mostrar muito adversa às atividades de utilização do orgone como coisa “real” capaz de ser extraída da biosfera e eficaz no tratamento das doenças degenerativas utilizando as câmaras. Foi também acusado de atividades subversivas e foi investigado pelo FBI.

Mesmo após ser levantada a suspeição dessas atividades, a FDA nunca mais o deixou em paz, proibindo a utilização do equipamento de Reich na sua utilização terapêutica. Reich foi preso em Maio de 1956 por violação “técnica” do mandato de proibição.

Em Junho de 1956 agentes da FDA dirigiram-se à propriedade de Rangeley, Maine e destruíram acumuladores de orgon e queimaram uma grande parte dos livros. Nos anos seguintes as “autoridades” reincidiram, queimando o que restava (diz-se que foram seis toneladas de livros, jornais e artigos).

Em 3 de Novembro de 1957, Wilhelm Reich veio a falecer enquanto dormia, vítima de ataque cardíaco na penitenciária de Lewisburg no estado da Pensilvânia.

Mas como ficou Reich ligado à ovniologia?

Rezam as crônicas (documentos pessoais do clínico) que em 28 de Janeiro de 1954 no estado do Maine, Reich observou duas luzes amarelo-alaranjadas em movimento sobre uma montanha em direção a um lago. Não teria sido esta a sua única observação.

Mesmo sobre as suas instalações laboratoriais terão ocorrido manifestações ovni fatos que foram comunicados à Força Aérea Americana (USAF). Nos anos de 1950 especulava-se sobre a origem extraterrestre dos ovnis e isso, em parte levou Reich a acreditar em contatos com seres do espaço exterior.

Também o excelente e célebre livro de Donald Keyhoe de título “Flying saucers from outer space”[9] publicado em 1953 terá influenciado muito o psicanalista. A vida de Wilhelm Reich mudou deste então, passando este a orientar grande parte do seu trabalho na invenção de instrumentos funcionando à base de orgone e capazes de destruir os objetos intrusos (ovnis). Propôs à USAF que se encontrava confundida com a presença de estranhos objetos alienígenas, a utilização das suas descobertas.

A proposta foi recusada em grande parte devido à proibição por parte da FDA da distribuição de equipamento à base de orgone para finalidade clínica. Podem encontrar-se pormenores deste assunto na obra “Contato com o espaço”[10]. É de referir que em 1951 a USAF recebeu um relatório pormenorizado de Reich o qual continha um conjunto de equações “orgonométricas” aparentemente incompreensíveis para os militares pelo que não terá havido resposta das esferas militares ao clínico.

O assunto da ameaça extraterrestre, empolgada nesta altura por militares e políticos de envergadura foi tomada a sério por Reich de modo que este fazia o “varrimento” do céu noturno com o canhão de orgone (o cloudbuster). Ao que parece estes instrumentos eram eficazes na luta anti-ovni já que, pelo que consta, o clínico e seus colaboradores em determinada altura viram luzes apagar-se no céu, diluídas pelos tubos dos canhões.

A experiência teria sido repetida várias vezes com o mesmo resultado. Ora o alcance dos cloudbusters era de alguns quilômetros e pensou-se então que tinha havido eficácia na destruição dos invasores.

O convencimento de Reich foi tal que veio a testar no deserto do Arizona aparelhos deste tipo. Reich sustentava mesmo que o orgone era usado na propulsão dos ovnis, assunto que aqui nos interessa em particular.

Para terminar esta nota biográfica de Wilhelm Reich cabe referir que a sua influência em psicoterapia foi grande de modo que os seus trabalhos pioneiros em bioenergética tiveram e têm continuidade por parte de vários discípulos: Alexander Lowen fundou a Análise Bioenergética, Charles Kelley a Terapia Radix e James DeMeo dirige o Orgone Biophysical Research Laboratory.

Recentemente um cientista (Don Croft) inventou um canhão (cloudbuster) simples e eficaz.[11] Converte o “orgone morto” existente na atmosfera em “orgone positivo” que permite dispersar rastos de químicos (chemtrails). Falta dizer que Wilhelm Reich influenciou com o seu orgone e cloudbusters cantores da pop (como por exemplo Patti Smith, Kate Bush que compôs “Cloudbusting” e Frank Zappa entre outros).

O seu próprio filho Peter Reich conta a história paterna em “ A book of dreams” [12]. O filósofo e escritor de ficção científica Robert Anton Wilson é autor da peça “Reich in the hell” que é baseada na sua vida. A realização cinematográfica não ficou indiferente à vida sinuosa de Reich.

Em 1971 o realizador jugoslavo Dusan Makavejev realizou uma película sobre os ensinamentos de Reich com o título “W. R.: Mysteries of the organism”.

As luzes vampiras da amazônia.

Nos anos das décadas de 70 e 80 nas florestas e ilhas do estado brasileiro do Pará, Amazônia, ocorreram ataques às populações por parte de seres tripulando veículos não identificados.

Muito se tem escrito sobre este assunto tendo a revista UFO publicado material extremamente interessante e esclarecedor sobre o assunto na forma de entrevistas e relatos de pessoas diretamente envolvidas nos incidentes: militares, jornalistas, médicos. A situação chegou a tal ponto de gravidade que foi chamada a força aérea brasileira através do comando regional (COMAR 1) sediado em Belém.

As estranhas luzes, ou melhor quem as manipulava atacavam principalmente à noite as populações dos estados do Maranhão e Pará. Atacavam também animais como patos, galinhas, porcos cães e vacas.

A operação militar que ficou conhecida por Operação Prato fotografou e filmou detalhadamente atividades extraterrestres no Pará. Os principais desenvolvimentos do caso encontram-se descritos em vários fascículos da revista UFO [13-16]. Convém referir que a 25 de Agosto de 2005 a Rede Globo (Brasil) exibiu uma reportagem sobre a Operação Prato num especial do programa Linha Direta, aumentando o interesse e promovendo a discussão dos fenômenos acontecidos.

Alguns excertos em videoclipes podem ser retirados do site da revista UFO (www.ufo.br.com) e também do site da A.P.O. (

www.apovni.org).

Interessa aqui estudar as características dos ataques dos seres alienígenas sob o ponto de vista médico e para isso são de extrema importância as declarações e vivências da Doutora Wellaide Cecim Carvalho, que na altura tratou mais de 80 vítimas dos ataques na Unidade Sanitária de Colares, na ilha de Colares, Pará. Os ataques começaram em Julho de 1977.

O primeiro caso aconteceu com uma jovem na zona rural. Segundo a Dra. W. Cecim a atacada apareceu extremamente apática e com grande fraqueza muscular. Não falava, não ouvia e não possuía reflexos. Os familiares que a trouxeram contaram que a jovem fora tacada por uma “luz” quando descansava numa rede, na varanda de sua casa.

A vítima contou depois que quando estava deitada sentiu um peso enorme sobre ela. Ao abrir os olhos viu um feixe de luz (grosso) que a queimava e simultaneamente, paralisava. Não conseguia executar qualquer movimento nem gritar. Estava em estado catatônico. A vítima estava consciente mas sem reflexos funcionais. Quando observada pela médica, apresentava uma extensa queimadura negra do pescoço ao diafragma.

Tinha decorrido apenas uma hora desde o ataque e a pele queimada apresentava necrose que em situação normal só surge 4 ou 5 dias depois da queimadura! O mais surpreendente é que a jovem exibia dois orifícios paralelos, elevados, no lado direito do pescoço, de cor avermelhada facilmente palpáveis. Outra circunstância interessante era que na região atacada não cresciam pelos e a queimadura atingia as camadas profundas da pele. Geralmente as vítimas das luzes viviam permanentemente doentes.

A jovem atacada ficou, nas palavras da Dra. Wellaide “muito deprimida e fraca depois do fato, como se tivesse perdido sua resistência imunológica.”[15] Outras circunstâncias interessantes foram a frequência e extensão geográfica dos ataques.

Os ataques iniciaram-se em Julho de 1977 com uma ocorrência em três dias passando depois a ser diários com três a quatro ataques diários. Nem o barulho feito com latas, fogo de artifício conseguia suster os ataques. Inicialmente estes ocorriam no período noturno e de madrugada principalmente na zona rural, fora da cidade de Colares.

Em Outubro ao ataques ocorriam também no final da tarde e início da noite alastrando da zona rural para a cidade. Cerca de 70% das pessoas abandonaram a ilha. Na opinião da Dra. Wellaide Cecim era como se “eles”, os extraterrestres, estivessem muito desesperados, fazendo tudo para conseguir chegar às vítimas.

Diz a clínica que “Não sei porque, não acredito que eles estivessem ali com o intuito de maldade pura e simples. Eles precisavam de alguma coisa que aquela gente tinha.” E a clínica acrescenta estas palavras, muito importantes[15]:”Na minha opinião naquela época havia uma esquadrilha de naves perdida na Amazónia e precisando desesperadamente de combustível ou alguma outra coisa para voltar ao seu local de origem”.

“Quem somos nós simples mortais para saber qual o combustível eles usam? O nosso vem do álcool e do petróleo, mas e o deles, será que não vinha dos seres humanos? Penso que estavam retirando energia vital das pessoas e transformando-a em algo.” Os efeitos fisiológicos dos ataques além dos já referidos anteriormente incluíam apatia, medo e depressão, irritação, o enfraquecimento rápido depois dos ataques, diarreia e dores articulares com duração de meses. Os doentes depois de atacados diziam que nunca mais tinham gozado de saúde que era como se alguma coisa os “tivesse chupado”.

Segundo a Dra Wellaide Cecim era visível o estado de saúde precária das vítimas meses depois de serem atacadas, que parecia que algo havia extraído a “energia vital” das vítimas. A Clínica fez uma pesquisa sobre os exames sanguíneos de da urina das pessoas atacadas nos arquivos da Unidade Sanitária de Colares. Muitas pessoas faziam o check-up com regularidade no posto médico. O objetivo era comparar informações antigas e atuais depois dos ataques para conhecer alterações marcantes. O que descobriu foi, nas suas palavras, “incrível.” Todos os que tinham realizado exames antes dos ataques adquiriram uma súbita anemia (o nº de hemácias tinha descido para cerca de 50 %) e a coloração das células do sangue tinha mudado.

A clínica refere que os homens eram os mais atacados e entre estes os adultos jovens. Parecia haver uma seleção de faixa etária, ninguém muito jovem e ninguém com idade muito avançada. As vítimas eram magras, morenas e na sua maioria eram agricultores, pescadores, donas de casa. Houve casos de vários membros da mesma família atacados no espaço de algumas semanas.

Quanto aos animais a Dra. Wellaide Cecim referiu [16] que no dia seguinte ao ataque os animais se apresentavam ressequidos e com os olhos arregalados. Estima-se que o número de animais atacados foi muito maior que o de pessoas.

Mas afinal o que eram os chupa-chupa e como atacavam. Os chupa-chupa eram máquinas voadoras metálicas, de forma cilíndrica [15]. Possuíam uma espécie de janela através das quais podiam ser vistos seres de forma semelhante à humana humanoides (no

www.youtube.com procurar por nome: “reptilian ou reptilianos, no Brasil humanoides” )[15,16].

Da parte inferior, arredondada, emanava um feixe de luz laranja intensa. Dentro desse feixe, estava um outro, mais fino, de cor azul que era dirigido às vítimas na direção do pescoço e do tórax. A Dra. Wellaide Cecim observou um desses objetos de muito perto. Referiu que os feixes se propagavam linearmente (sem curvatura) e entravam pelas portas, janelas e telhados.

O objecto descrevia geralmente movimentos elípticos no seu deslocamento. Existiam luzes na parte superior e inferior de cor azul, rosa e amarela. A aparência era metálica, “E o metal talvez seja como um inox classe A, extremamente polido e bem tratado, mas não era bem o tipo que conhecemos….O objecto devia ter uns 4 m de diâmetro e era gigantesco… Quando ele começou a baixar pude ver algo na parte da frente, como se fosse uma janelinha transparente. Enxerguei seres dentro do artefacto, apenas da cintura para cima, e eles tinham um formato humanoide”.

“O que me chamou a atenção foram seus longos e volumosos cabelos amarelos.” Nos ataques, o objecto que emitia barulho o que permitia às pessoas procurarem abrigo, descia perto da copa das árvores e ficava aí camuflado.

2- Conclusões, muitas dúvidas e perguntas.

Pela proveniência e propriedades do orgone, a forma de energia “vital” descoberta e utilizada por Wilhelm Reich, é aceitável considerar a hipótese do fenômeno chupa-chupa ter utilizado essa energia retirando-a de seres vivos, de inúmeras pessoas. A sucção de fluidos corporais teria integrada essa energia vital? A própria Dra. Welaide Cecim referiu algumas vezes ter a impressão dos seres estarem a extrair a energia vital às pessoas.

Mais, se os ovnis utilizam o orgone como propulsão como dizia Wilhem Reich, o elevado número de ataques das naves chupa-chupa revela a extrema necessidade que os tripulantes extraterrestres tinham de acumular energia para a propulsão das naves…com que finalidade? Sair do nosso planeta? Não esqueçamos que algumas protagonistas da Operação Prato e a Dra. Wellaide Cecim tinham a impressão que os ataques não tinham um fundamento de pura maldade, de matar as vítimas, mas apenas o intuito de sobrevivência já que as naves pareciam perdidas na Amazônia.

Dados os efeitos fisiológicos e psicológicos provocados nas vítimas (como se tivessem sido sugadas) parece que foi extraída uma espécie de energia – seria o orgone? Teria interesse saber se algumas das vítimas vieram a falecer de câncer e de que tipo? Esta doença nunca é referida nas entrevistas dos vários intervenientes nos acontecimentos da Amazônia, pelo menos que eu saiba.

Todavia se o orgone pode ser extraído da atmosfera como referiu Wilhem Reich porque razão foram atacadas animais e pessoas? Será uma questão da qualidade e/ou concentração dessa energia vital?

Uma opinião diferente tem o comandante responsável pela Operação Prato, o coronel Uyrangê Hollanda[16]. Este militar questiona até que ponto o fenômeno chupa-chupa era algo negativo para os seres humanos, uma agressão gratuita por parte dos seres que tripulavam aquelas naves. Após muito refletir aquele militar chegou à conclusão que as entidades por trás daquelas manifestações extraiam material biológico dos humanos, na forma de amostras de sangue com a intenção de desenvolver, por um processo sorológico, algum tipo de proteção (vacina) para que os mesmos seres (extraterrestres) se protegessem das nossas doenças caso viessem a conviver com a humanidade por largos períodos de tempo.

Esta era também a opinião de Jacques Vallée famoso matemático franco-americano que tem dedicado parte da sua vida ao estudo dos ovnis, após conversar sobre o assunto com o coronel Hollanda.

Todavia o facto dos ataques terem acabado abruptamente parece não sustentar esta tese mas fundamentar de alguma forma a primeira, isto é que os seres tripulantes do chupa-chupa extraíram alguma forma de energia para vencer dificuldades pontuais na altura fosse a necessidade de energia de propulsão, fosse o combate a enfermidades que eles próprios tivessem contraído.

Terão os militares brasileiros (ou de outros países) na sua posse informações importantes que permitam corroborar uma ou outra tese? Talvez num prazo não muito distante se saiba.

3- Bibliografia

[1] Fernandes, J. Orgone de Wilhelm Reich na guerra contra os Aliens, Jornal de Notícias, 23 Dez. 1999.

[2] Reich, W. O combate sexual da juventude, Textos marginais, Porto, 1975.

[3] Reich, W. A revolução sexual, Edts. Zahar, Rio de Janeiro, 1975.

[4] Reich, W. A Função do Orgasmo. Pub. Dom Quixote, Lisboa, 1979.

[5] Reich, W. Escuta, Zé Ninguém!, Pub. Dom Quixote, Lisboa, 1974.

[6] Reich,W. Psicologia de massas no fascismo. Pub. Escorpião, Porto, 1974.

[7] Reich,W. The bion experiments on the Origin of Life, Farrar, Straus & Giroux, 1979.

[8] Reich,W. Beyond Psychology: Letters and Journals, 1934-1939, Edited by Mary Boyd Higgins. Farrar, Straus and Giroux, New York, 1994.

Na internet podem encontrar-se muitos sites dedicados a Wilhem Reich por exemplo em

www.orgonelab.org fundado pelo investigador James deMeo (Ph. D).

[9] Keyhoe, D. Flying Saucers From Outer Space, Henry Holt, New York, 1953.

Outros livros do Major Donald Keyhoe de interesse são:

a- Keyhoe, Donald; “The Flying Saucers Are Real”, Fawcett, 1950; este livro pode encontrar-se na net em http://www.sacred-texts.com/ufo/fsar/index.htm

b- Keyhoe, D. Flying Saucer Conspiracy, Henry Holt & Co., New York, 1955.

c- Keyhoe, D. Flying Saucers: Top Secret, G. P. Putnam’s Sons, . New York, 1960.

d- Keyhoe, D. Aliens From Space: The Real Story of Unidentified Flying Objects, Doubleday & Co., New York, 1973

Alguns dados biográficos do Major D. Keyhoe encontram-se em

http://www.nicap.dabsol.co.uk/bio-keyhoe.htm – (site tirado do ar).

http://www.terrestrialworld.com/Maine-MUFON/Keyhoe.htm – (site tirado do ar).

[10] Reich, W. Contact with space, Core Pilot Press, New York, N.Y. 1957.

[11]

http://www.metatech.org/cloudbuster_&_orgone_generator.html

[12] Reich, P. A book of dreams, Harper & Row, New York, 1973.

[13] UFO, 114 (2005) 10-36.

[14] UFO, 115 (2005) 16-22, 26-35.

[15] UFO, 116 (2005) 20-36.

[16] UFO, 117 (2005) 14-31.

………..

…….

Gravação em 1952 da voz do próprio psicanalista Wilhelm Reich, falando sobre os seus estudos científicos entre outros assuntos.

Filme que mostra a história de Wilhelm Reich e o cloudbuster trazendo chuva a uma fazenda nos EUA.

http://apologiajudaica.blogspot.com/2009/11/o-orgone-de-wilhelm-reich-contra-os.html.

Namastê!

HeiwaKi

 

2 Respostas

  1. Muito bom o site. Gostaria de manter contato, pois estudo a mecãnica quantica, e trocar ideias com os pares é construtivo. Obrigado.

    Curtir

    12/10/2011 às 10:38 PM

  2. Cesar Nardelli

    Adorei o site. Acredito que essa teoria venha se difundir e tornar se um mecanismo muito útil para a humanidade. Parabéns

    Curtir

    13/06/2012 às 5:55 PM

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s