Recorde do teu Verdadeiro Ser!

IDÉIAS PARA SALVAR O PLANETA TERRA

[videolog 227777]

  

[videolog 244786]

  

  

[videolog 292287]

  

 [videolog 518354]

  

  

[videolog 478435]

  

  

  

  

  [videolog 311432]

 

A Permacultura pode salvar o mundo?

 

“Se todos quisessem, tudo mudaria sobre a Terra num momento”, escreveu o poeta russo Dostoievski em sua narrativa fantástica intitulada O sonho de um homem ridículo, animando-nos a refletir sobre os meios de que dispomos agora para salvar o mundo da grande ameaça que a humanidade representa hoje para a vida no planeta,
albuminclusive a própria vida humana. Para nós, permacultores, a questão exige centralidade porque dela depende a nossa prática, os nossos agires e o desenvolvimento do território recém descoberto da Permacultura.

Com efeito, acreditamos no potencial teórico e prático deste sistema, afinal, foi ele que nos ofereceu a ética, os conceitos, os princípios e métodos de design necessários para trabalharmos pela sustentabilidade da Terra. Por isso mesmo, o primeiro grande desafio será o de fazermo-nos co-criadores e co-responsáveis pelos rumos da Permacultura no Brasil e no mundo.

Nós que herdamos e incorporamos em nossas vidas os marcos estabelecidos por Bill Mollison e David Holmgren, podemos e devemos explorá-los até alcançar as cone-xões mais distantes, até o ponto em que nos seja possível deslindar novos problemas à luz das nossas próprias descobertas (individuais e coletivas). Podemos e devemos ir além dos limites alcançados pelos pioneiros, porque, é preciso admitir, os trabalhos pioneiros, como dizia o psicoterapeuta austríaco Carl Jung, apresentam desvantagens: “Perambulamos por regiões desconhecidas; somos desviados do caminho por analogias, perdendo repetidamente o fio de Ariadne”.

A segunda geração da Permacultura tem condições de chegar a conclusões e percepções mais avançadas, de regenerar a teoria, trazendo algo de novo para ela. “Uma teoria não é algo inerte, não é uma coisa, mas algo que necessita regenerar-se a si mesma, reencontrar as virtudes originais, as suas virtudes fundamentais”, diz o professor francês Edgar Morin.

Será preciso ainda pôr em prática estratégias sugeridas por Bill Mollison no Designer’s Manual (ainda sem tradução no Brasil) e que ainda não foram validadas, a fim de podermos oferecer ao mundo mais daquilo que é um dos grandes valores da Permacultura: tecnologias apropriadas à sustentabilidade.

Na qualidade de co-criadores e co-responsáveis, haveremos também de assumir verdadeiramente a ética que nos foi legada – de solidariedade e de cuidado com a Terra e com as pessoas, fundada sobre fatos históricos e dados sociais, econômicos, políticos e ambientais estarrecedores, que nos colocam num ponto decisivo da história da biosfera e da história da humanidade. Este é o nosso segundo grande desafio: permitir que os princípios éticos da Permacultura inspirem todas as nossas ações.

Ética, consciência e espiritualidade
O aparecimento da ética na biosfera deu-se ao mesmo tempo que o da percepção consciente. Juntas, consciência e ética são a forma espiritual da existência, que não estava representada na biosfera antes de nós, seres humanos. Antes do início da Era Cristã, segundo o historiador inglês Arnold Toynbee, o ser humano já tinha consciência de que a biosfera é um invólucro finito em torno da superfície do globo, mas a verdade é que, até o terceiro quartel do século XX, a humanidade havia subestimado o seu recente aumento no poder de perturbar o delicado equilíbrio de forças, auto-regulador e auto-preservador, do sistema Terra.

A Permacultura parte de uma visão ética integradora e holística, capaz de nos guiar na direção de um futuro sustentável, com a perspectiva de permanecermos na biosfera por mais dois bilhões de anos. Com efeito, o conjunto das nossas aspirações, valores e princípios devem reunir todos aqueles que acreditam nas forças de conjunção, que solidarizam, fraternizam e universalizam. Afinal, a natureza, que inspira as atitudes, as relações e o trabalho dos permacultores, não conhece exclusão.

Cabe a nós considerar as interdependências entre natureza, humanidade, pobreza, degradação ambiental, injustiça social, conflitos étnicos, paz, democracia e crise espiritual. Cabe a nós reconhecer, além da materialidade humana, a subjetividade e a espiritualidade, sem as quais não seremos capazes de reformar nossos pensamentos e nossas atitudes.

Ignorar as dimensões subjetiva e espiritual do ser humano e o seu sentimento de religiosidade é minar o fundamento de uma ética universal, assegura Leonardo Boff em seu livro Ethos Mundial – Um consenso mínimo entre os humanos. “Só setores racionalisticamente arrogantes da sociedade mundial desprezam esse tipo de argumentação, seja porque perderam o acesso à experiência do sagrado e do religioso, seja porque vivem alienadas da vida concreta de seus povos.” Até mesmo os politólogos percebem a importância das religiões para as políticas globais. P. Huntington escreveu: “No mundo moderno, é a religião uma força central, talvez a força central que motiva e mobiliza as pessoas.”

Os grandes textos sagrados abrem caminho para que nos tornemos perma-cultores, exortando-nos a rejeitar as solicitações do mundo moderno de dedicação ao acúmulo de riqueza e poder, como fizeram os fundadores da Permacultura. No Evangelho de Mateus, por exemplo, encontramos: “Olhai os lírios do campo como crescem: não trabalham nem fiam. Digo-vos que nem Salomão, em toda a sua glória, se vestiu como um deles.” O Tao Te Ching, escrito na China por volta do século VI a.C., adverte-nos: “Entesa um arco ao máximo e desejarás ter parado a tempo”. São preceitos pregados e praticados por homens santos que, quando são aceitos como regras práticas de conduta por pessoas conscientes da presença espiritual que está por trás dos fenômenos, levam à mudança no coração – a única que será capaz de nos fazer redimir a Mãe-Terra pela vitória sobre a cobiça agressiva e suicida dos poderosos.

A Permacultura nasceu inspirada nos poemas de Lao-Tse, segundo o próprio Bill Mollison: “Por amor e respeito pela Terra, eu desenvolvi uma filosofia próxima ao Taoísmo, baseado na minha experiência com sistemas naturais”. Sem dúvida, ele concordaria com as palavras do filósofo Huberto Rohden: “Somente quando o homem possui a reta experiência cósmica do seu Ser, pratica ele a reta vivência ética no seu agir.”

Responsabilidade social e ecológica
A ética da Permacultura supõe a restauração do sujeito responsável, comportando a exigência do auto-exame, a consciência de nossa parcela de responsabilidade sobre o destino planetário, e não somente no que diz respeito ao presente, mas também ao futuro. “Devemos nos sentir responsáveis – como se a luta por inteiro dependesse unicamente de nós -, mas também não-responsáveis por todas as barbáries cometidas por inconsciência ou vilania”, assevera Edgar Morin.

Além de buscar a garantia das condições para a sustentação da vida na Terra, será preciso salvaguardar o pobre, o oprimido, o marginalizado e o excluído, que são os seres mais ameaçados do planeta. Os permacultores precisamos pensar também no design social, se quisermos exercer plenamente nossa função de jardineiros, fundada no princípio da res-ponsabilidade e da reverência diante da vida. A ética do cuidado e da solidariedade pode ser assumida conscientemente num projeto político em favor dos direitos humanos e da natureza.

Amor, poesia e sabedoria
O enfrentamento dos grandes desafios contemporâneos da humanidade consiste na construção de uma cultura que nos permita religar o pensamento racional, empírico, técnico e também o saber simbólico, mitológico e mágico, fazendo o intercâmbio dos valores para atualizá-los, colocá-los em sintonia com o mundo no qual vivemos, com as questões vitais que nos são postas. Será preciso, por exemplo, abrir mão da mitologia do progresso, que ainda existe como uma lei da história segundo a qual a ciência e a técnica têm a missão providencial de solucionar todos os problemas humanos. Sabemos hoje dos limites de um e de outro.

Teremos que reaprender a aprender. Reaprender é mudar as estruturas do pensamento, e a Permacultura nos lança este desafio, oferecendo-nos o pensa-mento sistêmico e a idéia de síntese entre ciência e sabedoria popular, convidando-nos a acordar de um estado de sonolência povoado de racionalizações.

Reordenar o pensamento é, além de assumir a ética do cuidado e da solida-riedade, deixar-se mover por uma compreensão poética da vida, que permite entender as pessoas como seres de desejo, de amor, de relação – os únicos que so-nham acordados e são capazes de cons-truir, não “o melhor dos mundos, mas um mundo melhor”, segundo Morin.

A poesia é matéria para um novo aprendizado das coisas. Permite-nos ver o mundo pelo avesso, e o avesso pelo mundo, para que as pessoas possam, “em pleno uso da poesia”, funcionar “sem apertar o botão”, como nos ensina o poeta Manoel de Barros.

A ética como estética da vida e do pensamento nos levará aos caminhos da transformação necessária à salvação do mundo. Mas para assumir um projeto de tamanha grandeza, os permacultores precisaremos multiplicar esforços para abrir a Permacultura à coletividade, dialogar com os governos, com as organizações multilaterais e não-governamentais e com as mais diversas tradições científicas e espirituais. Precisaremos nos engajar em movimentos sociais que lutam por justiça e paz, e, ao par de tudo isso, ainda será preciso alimentar-nos cons-tantemente de amor, “uma das grandes invenções humanas”, no dizer de Otávio Paz. Haveremos de nos investir de paixão e coragem para fazer a caminhada.

Fonte: http://www.permear.org.br/2006/09/23/a-permacultura-pode-salvar-o-mundo/

  

17 IDÉIAS PARA VOCÊ SALVAR A TERRA

Fonte: Revista Superinteressante

 

 

 

  

 

A TERRA em que vivemos é resultado do acúmulo de ações de cada um. Veja o que você pode fazer (e o que não deve fazer) para ajudar a pôr as coisas nos trilhos.

17 IDÉIAS PARA VOCÊ SALVAR A TERRA

 

Fonte: Revista Superinteressante

 

 

  

1. Informe-se

 

Acompanhe  as notícias sobre meio ambiente, atualize-se, estude a fundo os aspectos que mais lhe interessam.

 

2. Aja localmente

 

Pense a respeito de como colaborar na família, na vizinhança, na escola dos filhos e na comunidade. Participe mais de tudo e difunda suas idéias sobre um mundo melhor.

 

3. Pense localmente

 

Estabeleça vínculos entre temas locais e globais. Apesar de magnitudes diferentes, os dois universos se correlacionam.

 

4. Some

 

Antes de pensar em formar uma organização não-governamental, procure uma parecida na qual você possa se engajar.

 

5. Otimismo é fundamental

 

 

Envolva-se de maneira criativa e divertida. Se quer atrair outras pessoas, pense em discursos e eventos positivos.

 

 

6. Seja efetivo

 

Envolva-se, torne-se ativo, mas não duplique suas obrigações. Trabalhe para ampliar sua efetividade.

 

 

7. Crie notícia

 

Identifique temas que possam interessar a muitas pessoas.Então, escreva para jornais, revistas, redes de rádio e TV.

 

 

8. Planeje sua família

 

Se a população da Terra, em 2050, ficará em 7 ,9 ou 10,9 bilhões de pessoas, conforme projeta a ONU, a diferença será de um filho por casal.

 

 

9. Não polua

 

Não jogue pilhas e baterias de celular no lixo comum. Mantenha bacias hidrográficas, rios, lagoas e represas livres de lixo ou qualquer tipo de resíduo. Lembre-se: o cano que sai da sua casa provavelmente deságua num rio, numa lagoa ou no mar.

 

 

10. Preserve a biodiversidade

 

Espécies animais e vegetais merecem respeito. Plante árvores: elas produzem oxigênio e são abrigos para aves.

 

 

11. Seja coerente

 

Economize energia, água, prefira equipamentos que não prejudiquem a camada de ozônio, reutilize materiais, recicle o lixo caseiro, use menso o carro, ande mais a pé, evite produtos de origem animal.

12. Passe sua vida a limpo

Reveja seu estilo de vida. Pense num padrão condizente com o mundo sustentável.

 

13. Boicote

 

Engaje-se em movimentos de boicote a produtos que não respeitam o meio ambiente. Aliás, nem espere por movimentos: faça isso sempre que cair a ficha.

 

 

14. Eleja e cobre

 

Fiscalize o trabalho e a postura dos deputados e senadores. Escreva para eles fazendo sugestões ou cobranças. Enderece assim: (nome do parlamentar), Câmara dos Deputados ou Senado Federal, e, embaixo, Brasília, DF 70000.

 

 

15. Separe o joio

 

Nunca na história tivemos acesso a tanta informação e também a tantas opiniões diferentes. Faça a coisa certa.

 

16. Ensine as crianças

 

Preparar as novas gerações à luz de princípios ecológicos é a garantia de um mundo mais redondo daqui pra frente.

 

17. Acredite no futuro

 

Estimule idéias inovadoras, invista em grupos não-governamentais, renove sua crença de que tudo vai dar certo. Quanto mais pessoas acreditarem na paz, mais ela será possível.

 

 

  

 

UNA-SE ÀS INSTITUIÇÕES QUE LUTAM PELO MEIO AMBIENTE

 

 

  

 

 

ARCA BRASIL – www.arcabrasil.org.br

GREENPEACE – www.greenpeace.org.br

IBAMA – www.ibama.gov.br

IPAM – www.ipam.org.br

ISA – www.socioambiental.org

ONDAZUL – www.ondazul.org.br

RECICLOTECA- www.recicloteca.org.br

RENCTAS- www.renctas.org.br

SOS MATA ATLÂNTICA – www.sosmatatlantica.ogr.br

WWF – www.wwf.org.br

 

Fonte: Super Especial – Como Salvar a Terra/

 

Se você parou para refletir sobre acontecimentos atuais envolvendo catástrofes naturais provocadas mediante ações antrópicas. Se você faz parte do seleto grupo dos “Bem Intencionados e Ambientalmente Corretos”. Estas dicas que postamos agora com certeza já fazem parte da tua rotina. Mas nunca é demais repetir a importância dessa prática de economizar, de evitar gastos desnecessários, de diminuir nosso consumo…Ajude-nos a por essas idéias e mais outras para circular. Assim estaremos contribuindo para que mais e mais pessoas venham fazer parte do nosso grupo.

É possível melhorar o ambiente mudando hábitos do cotidiano. Se você seguir o roteiro abaixo [elaborado por especialistas para a revista Época], também pode colaborar.
1)Economize água
2)Prefira produtos biodegradáveis
3)Procure alimentos orgânicos
4)Consuma menos carne
5)Não crie animais silvestres
6)Cultive áreas verdes
7)Diminua o uso de embalagens
8)Leia os rótulos com atenção
8)Evite produtos descartáveis
10)Economize energia
11)Recicle lixo
12)Tenha cuidados com resíduos perigosos
13)Evite o transporte individual
14)Compre carros eficientes
15)Exerça seus direitos

Matéria completa na Revista Época

 

Mobilização contra as guerras

http://www.avaaz.org/po/gaza_time_for_peace/ Essa instituição Avaaz.org. se mobiliza contra a guerra.

 

 

  

 

Vegetarianismo Ético

Se estamos evoluindo por que ainda comemos carne? Os animais antes de morrer derramam “medo, sofrimento” que impregna a carne que você consome. Pense nisso. Leia mais sobre o sofrimento dos animais que são abatidos.http://www.vegetarianismo.com.br/sitio/index.php?option=com_content&task=view&id=482&Itemid=34

O homem implora a misericórdia

O homem implora a misericórdia de Deus mas não tem piedade dos animais, para os quais ele é um deus.Os animais que sacrificais já vos deram o doce tributo de seu leite, a maciez de sua lã e depositaram confiança nas mãos criminosas que os degolam. Ninguém purifica seu espírito com sangue. Na inocente cabeça do animal não é possível colocar o peso de um fio de cabelo das maldades e erros pelos quais cada um terá de responder.

 

 

  

 

Gautama Buda

 

 

 

  

  

 

 

  

 

Nós temos apenas um planeta…
Nós temos apenas uma chance…
O planeta precisa da sua ajuda…
Faça alguma coisa…
…qualquer coisa…
Você tem este poder!

 

 

  

Namastê!!!

HeiwaKi

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s